28 de março de 2009

E esta, hein?

A pele das tuas mãos é aveludada.

É terna e doce.

E eu, doce como ela.


Quando me provas, esfomeado

Quando me tocas

Quando me puxas para ti

Quando não controlas o teu desejo, o teu lado irracional

Sou mais feliz quando te penso

Sou mais feliz quando te imagino

Sou mais feliz quando te deito, te amo, te cubro, te descubro, te acho, me dou.

Tenho saudades dos teus dedos

Tenho saudades dos nós dos teus dedos

Tenho saudades dos nós

Tenho saudades dos momentos de nós.


(Olha para as tuas mãos. Olha para elas e vê o que eu vejo.

Olha para ti e vê quem encontrei.)

6 comentários:

Mars disse...

Osga-se! Isto até mete impressão, mas eu vejo-me MESMO nessa lamechice que escreveste.
Achas que fomos separadas à nascença?

Maldonado disse...

Não consigo ver nada! :D

de Marte disse...

Ouve lá, oh Mars, como irmã mais velha prego-te já um calduço nesse cachaço pra não te armares ao pingarelho!! Ehehehe!!! :P
Esta lamechice das 3a.m. foi um devaneio... Mas é normal que, tendo vindo as duas lá do planeta vizinho, tenhamos visões parecidas.

Beijos, Mars

de Marte disse...

Ena, oh Mars, e podemos sempre gozar com o Maldonado que não conseguiu ver nada!!

Ehehehe...

É preciso ter visão raio-y pra ver as LAMECHICES!!!! :P

Oh Maldonado, tens mais uma tentativa... (põe os óculos lamechas e procura as lamechices que esta lamecheira escreveu).

(nota-se muito que a Mars me tocou numa zona sensível ao dizer q escrevo lamechices?)

:)

Mars disse...

Ficaste lamechas quando te disse que eras lamechas, foi? :p

de Marte disse...

fooooooooooooooooooi...

:'(

buáááááááá