19 de janeiro de 2009

G-l-o-v-e-s

Se não pretendes dar continuidade imediata ao meu tesão não puxes por mim. Não me seduzas devagarinho, não me cheires a mão para rescender os vestígios das luvas de pele que acabei de descalçar. Não me pegues na mão assim, delicadamente. Não o faças. Isso excita-me. Apenas não o faças.

Temos zero em comum. Apenas os minutos em que não há olhos abertos à nossa volta (excepto um barman que testemunhou a troca de uns beijos esfomeados). O catalisador é sempre a noite. A saída. A bebida. O proibido.

E os nossos olhos fazem sempre o mesmo: fecham-se e fingem. E ali não é preciso mais nada.

(Deixa-te ir, bolas!!!)

Quando te toco não penses sobre isso, deixa-te ir. Ou então não, mas sê coerente. (Já sei: és coerente com a tua vontade…)

Não me dês a boca quando vou despedir-me de ti e procuro a face. Se a procuro é para marcar uma posição. Algo como “não penses que é quando tu queres”. Mesmo que de facto seja, pretendo fingir [para ti e para mim] que estamos em pé de igualdade. Só para fabular sanidade.

Ah, e não me fales do perfume partido de outra pessoa. (Já agora).

5 comentários:

afectado disse...

a noite por vezes prega-nos muitas rasteiras...

Anónimo disse...

Mesmo não tendo a certeza se és tu com quem falo, arrisco...
Quem disse que não pretendo?
:)

de Marte disse...

Afectado,
não é o caso.
Não foi rasteira nenhuma. Foi giro. Só giro.
Foram uns flashes, uns momentos. Um alinhamento astral especial que fazia coincidir vontades.
E agora os astros continuam a orbitar e só daqui a mil trezentos e quarenta e cinco dias é que voltam a estar exactamente com o mesmo perfil.
Assim... quem fez, fez. Quem não fez, fizesse! :)


Anónimo,
vir ao meu planeta mascarado de John Doe e julgar-se o vilão da acção aqui descrita é muito arrojado.
Se não tens a certeza de quem é a gaja de Marte é porque realmente não sou quem pensas.
Isso quer dizer que não és personagem nesta trama, logo tens aqui a resposta à tua pergunta. :)
Lamento.
(Mas que teve piada, isso teve!!!!)


Aos dois,
beijos de Marte

Maldonado disse...

Pelos vistos, tens tendência para abraçar causas perdidas... :-O

de Marte disse...

Maldonado,
As a matter of fact...
Ya, tenho. As "causas ganhas" não me parecem ter tanta piada!
:)

martian kisses