5 de novembro de 2008

Quem está frita da cabeça põe o dedo no ar!!!

(Quem está frita da cabeça põe o dedo no ar!!!)

De mim para mim:

Não querias evitar compromissos? Pois aí tens, minha menina! Tal e qual como andavas a pedir!

Cuidado com o que desejas, pois pode tornar-se realidade.

(Oh nãaaaaaaaaaaaao!)

É assim mesmo: pus-me a jeito para os não-compromissos, procurei a minha liberdade e, agora que a tenho, apetecia-me um bocadinho de compromisso. Só um bocadinho pequenino. O suficiente… o suficiente para nada!!

(Que raiva! J)

Não estou apaixonada, pah! (Vêem como sou boa a convencer-nos disto?).

(advertência: ler devagar senão não faz sentido!)

Estou só a deixar-me ir.

Nunca tinha ido ao sabor da corrente, nunca tinha deixado de dominar uma situação, mas como és bem espertinho já deves ter percebido isso, logo estás a dar-me exactamente aquilo que eu preciso... e que não sei se quero. E, querendo, só aceito porque és tu a dar-mo – isto porque já percebi que te permito ousadias que não julguei ser possível permitir a alguém. Fui clara? Não?

Bolas, pois não…

Isto confunde-me…

De facto o compromisso não me faz falta!!! Já tu...

Aguças-me o interesse, a vontade de te conhecer mais e mais, de rir contigo, de te arrancar palavras... e sabes disso. De manhã és mais falador; parece que te familiarizas à noite, evoluis de madrugada e de manhã já dizes aquelas coisas a que só tu dedicas tempo a pensar e que me deixam a pensar: "Onde é que estacionaste a nave espacial?". E lá está, eu pelos vistos sou de Marte, por isso sei que daí não vens!! Deves vir dum desses planetas novos cujo nome é ainda "científico", ou seja, ainda não se decidiu que filha nerd de que cientista nerd dará nome ao astro. Assim, baptizar-te-ei (tira o "p" se já estiveres na era pós-acordo ortográfico) 2007PtCb04 - este não é um número mecanográfico, ok? Se insistires posso chamar-te He-man – parece que agora é fashion atribuir nomes de personagens aos planetas.

Retomando a outra linha de raciocínio, entretanto vais e vens e vais, desapareces para a tua vida e voltas à minha de quando em vez.

E, ao que consta, foi exactamente isto que pedi, sim senhor.

Pedi, não a ti. Pedi! Desejei para mim.

Não procuro um nós, quero um tu&eu. E é isso que tenho – mais coisa menos coisa…! Só queria ter o "tu" mais vezes!

(Terror)

1 comentário:

Bianca De Vit Begrow disse...

Querida... Não há mal algum em querer mais desse "tu" a que te referes... No fundo, uma ponta de compromisso faz bem... até começar a fazer mal. Enquanto isso, acho que ele também deve estar querendo um pouco mais de ti...
Beijos!