12 de novembro de 2008

o pé da atleta


Hoje estava no ginásio a pensar: andamos todas à procura de um corpo perfeito, de formas fantásticas que agradem ao espelho. É claro que isto nunca chega a acontecer: quando chegamos a um patamar já só pensamos no bom que vai ser quando chegarmos ao próximo! Então a labuta continua: “insiste, insiste, só mais oito insistências!”.



Fazemos esforços mais-que-desafiantes, arranjamos um novo caminhar – coxo, é certo, mas cheio de estilo. E podemos sempre dizer, cheias de orgulho, a quem nos perguntar: “é uma lesão muscular!”.




(e agora vou parar de falar no plural!)




Eu farto-me de batalhar naquele asilo a que muitos chamam “ginásio”. E agora, para além de levar, amiúde, uma sova de exercício físico, ainda fico com os pés todos lixados?!?! Eu?, com os pés assim? L Não pode ser! Habituada a ter pezinhos de seda, delicados e sensíveis, vejo-me com… bolhas? E a próxima etapa: calos? NO WAY!




Só me apetecia chorar. Não de dor física, mas daquela lancinante que se finca só de olhar para os meus pés… and then it hit me: eu estava a ter o privilégio de saber em primeira mão (pé) o que é ter uns pés de desportista… ou seja, de atleta!! E fiquei intrigada: porque é que é bom ter corpo de atleta e mau ter pé de atleta?




Não faz sentido!! Sigam o meu raciocínio:




Um atleta tem ombro de atleta, peito de atleta, abdominal de atleta, glúteo, coxa e gémeo de… atleta!!! (pois claro...)




Então e o , o pé é de quê??? É de picheleiro?!?







2 comentários:

Bianca De Vit Begrow disse...

Oba! Descobri essa ferramenta de "seguir blogs"... Já estou seguindo o teu!!
E adorei o blog que me indicaste! Os diálogos são cômicos! Valeu!

Beijo!

Gi disse...

Pé de chumbo, Marte, pé de chumbo. :D