24 de setembro de 2008

gourmet

-Descalça-te e vem. Vem assim mesmo – disse eu, enquanto lançava as sandálias pelo ar. – Despes-te aqui.

Reclinei-me na cama e comecei a desabotoar, devagarinho, a camisa branca que todo o dia me espartilhara.

-Espera – disse ele – vou à cozinha.

Ouvi os pés descalços a percorrer o mármore frio e a porta do frigorífico a ser aberta. Quando chegou à porta do meu quarto já não trazia camisa. Apenas as calças de pinças que, assim sem o resto do fato, me fez lembrar um ardina. Sorri um pouco, com a ideia. Ele achou o sorriso elogioso e eu não o desmenti.

Trazia consigo todos os toppings que havia encontrado: chocolate, caramelo e morango. Eu tinha-me mantido imóvel, lânguida, estendida na cama à sua espera. Os meus últimos botões foram por ele desapertados e o meu farto soutien desapareceu com a habilidade acrobática de uma só mão. Segurou-me contra ele e senti o bater do seu coração.

Afastei-me um pouco e abri a boca, com a língua de fora, a pedir topping.

-Chocolate!, óptima escolha...

2 comentários:

Maldonado disse...

Interessante... :)
Estou à espera das cenas dos próximos capítulos... ;)

Concha disse...

the days that follow...