15 de dezembro de 2008

como disse?!?

Há coisas que me ultrapassam, que me provocam urticária!!!


Não, hoje não vou desancar ninguém! (Ooooooooh!!!)



Hoje vou falar da língua portuguesa – trato a língua portuguesa por você mas podia facilmente tratá-la por tu, não fosse ela tão mais velha que eu. (É uma questão de respeito e apreço!)


Posto isto, queria partilhar algumas dúvidas que me assolam e que se relacionam com a formação de palavras.


Vamos a exemplos?



Todos sabemos que alguém que engana, que é falso, é um FALSÁRIO. E um CORSÁRIO? É quem desfila no corso? Pois claro que é! Só pode!



FURACÃO: de onde vem a palavra? De “furar o cão”? Será que as primeiras ventanias fizeram voar um guarda-sol que furou um cão e decidiu-se, assim, homenagear o Bobi? E quando o furacão tem nome de mulher, qual é o feminino de furacão? Furacona? Há palavras demasiado intrigantes…



E PRETEXTO? É um texto antes do texto? Nãaaaao, isso é um preâmbulo. Então o que é um pré-texto? (Para quê inventar palavras que não dizem nada, alguém me explica?)



Bem, e entramos assim na área dos cuidados pessoais.


PEDICULOSE – ora, li isto numa revista de putos e pensei em enfermidade das unhas dos pés. Bem sei que a infância é marcada pelos maiores chulés de que existirá registo na vida de alguém, mas coitados dos putos, a sofrerem de pediculose! “ose” é típico de condições nefastas, tipo doença ou isso. E “pedi”, pronto, vem de “pés”…


…pensava eu; pois enganei-me. Muito. A condição de que falo afecta não os pés, mas exactamente a outra extremidade do corpo (pudiculose do couro cabeludo – piolhos), ou então ali a meio caminho (pediculose pubiana). Sim, é uma chatice! :) I shall say no more!


Caneco… CHATICE?? (fez-se luz outra vez e os meus olhos brilharam com mais um trocadilho estonteante inadvertido). :) Então uma chatice é uma reunião de chatos?


Que caca de conversa. Há coisas que uma pessoa preferia não se lembrar de ter lido…



Mas continuando mais ou menos na área, o pediculocida é o que combate/elimina/mata essa bicharada. E o sufixo “cida” indica exactamente extermínio: econtramo-lo em herbicida, germicida, formicida… ya, pacífico. Então e porque é que, a quem mata suínos não chamamos SUICIDA?! (Alguém tem uma dica para esta?)



Ok, morto o porquinho, há que acompanhar os secretos com uma saladinha (viram como passei por cima da palavra “SECRETOS” sem sequer lhe dar a mínima importância, apesar de ser um nome estúpido? Na porta do tasco: “Temos secretos de porco preto”. Olha, bela treta! Como se um porco tivesse segredos, oh caneco! Já para não falar das PLUMAS, que é uma palavra meio abichanada para um porco. Ainda se fosse um pavão…)



Continuando na saladinha, temos que a temperar com azeite e vinagre. Em primeiro lugar, ainda estou para perceber como é que o azeite, que anda prai a cantar desde 1919, ainda é virgem! Mas… e o VINAGRE? Eu sei que deriva de “vinho acre”: ora, por um lado o vinagre é acre e por outro já foi vinho. Se foi, já não é. Se já não é vinho, não era mais imediato chamar-lhe “EX-TINTO”? Só para fazer sentido…!



E por falar em vinho, uma boa pinga é uma roubalheira.


(Uma quê? ROUBALHEIRA…? Olah, isto é material do belo!!!)


Roubalheira = rouba + alheira. Ora, porque é que usamos uma palavra que só faz sentido para lá do Marão, onde mandam os que lá estão?


Como a palavra ABUNDÂNCIA deve derivar de “ânsia de bunda”. Está bom de ver que vem directamente do português do Brasil!



E porque é que MANCHAR e DESMANCHAR não são antónimos?



Faz-me comichão pensar na origem de palavras como, por exemplo, AFRODISÍACO. Só pode ser um tributo à africanidade... aos afro-atributos… Afrodisíaco. Está tudo dito.



E SUDOKU? Eu até era viciada no joguito…


“Sudo” toda a gente sabe que vem do latim “sudore”, ou seja, suor. Epah, e “ku” nem precisa de explicação alguma. E as duas palavras juntas simplesmente não me cheiram bem…



Está visto que volto a jogar palavras cruzadas!!!

(fica assim provado que o meu forte não é o humor... enfim... vou dormir!)

J

4 comentários:

Maldonado disse...

Bem, grandes trocadalhos do carilho que fazes com a língua portuguesa!... :D

Anónimo disse...

Três aponta-mentos (que por sinal é um tipo de jogo de dardos mas em que se mandam os Mentos):

-Suicida tá-se mesmo a ver que é uma marca de pesticida pra matar Suiços

-Quanto à indagação sobre a eventualidade de um furacão ter um nome de mulher, ora digo-lhe desde já que apenas em 1975 se começou a dar nomes masculinos aos mesmos! Ou seja, é como a pescada, antes de ser Furacão (Macho), já o era com nomes femininos!

-Nota final, na língua portuguesa também há palavras que fazem perfeito sentido, só como exemplo, BenFica!

Saudações

Anónimo disse...

Três aponta-mentos (que por sinal é um tipo de jogo de dardos mas em que se mandam os Mentos):

-Suicida tá-se mesmo a ver que é uma marca de pesticida pra matar Suiços

-Quanto à indagação sobre a eventualidade de um furacão ter um nome de mulher, ora digo-lhe desde já que apenas em 1975 se começou a dar nomes masculinos aos mesmos! Ou seja, é como a pescada, antes de ser Furacão (Macho), já o era com nomes femininos!

-Nota final, na língua portuguesa também há palavras que fazem perfeito sentido, só como exemplo, BenFica!

Saudações

de Marte disse...

Maldonado,
eu até tento, mas o meu forte é o drama! :D


Anónimo,
"suicida é um pesticida para matar suiços?"
Então os suiços são uma peste?? E só me avisas agora, que já deixei os Suiços entrar nos Espaço Schengen?

Bom apontamento, o do nome das furaconas. Então a explicação para a génese da palavra é ainda mais estranha!!
(Terror)

Só estragaste tudo por seres do benfica...!

Mas sê bem aparecido!


Beijos de Marte