12 de maio de 2009

come back to bed



Era uma saída nocturna como outra qualquer. Either way, eu sabia que irias estar naquela festa. Não faltarias, ainda por cima quando eu já tinha deixado escapar a um amigo teu que iria à festa. Morrias de curiosidade se não me visses, podendo.


Antes de sair de casa deixei a cama preparada para dois. (Não sei quem é mais previsível: se tu, se eu.)


Durante o jantar não te liguei sobremaneira, fazendo até piadas com as coisas que dizias, de modo a que toda a gente ouvisse. Queria mostrar-me desprendida. E mostrei.


Só quando saímos para dançar não consegui conter-me. Foram poucas (mas demais) as vezes em que percebeste que estava a dançar para ti, a seduzir-te. Correspondeste exactamente do mesmo modo, com o mesmo “fervor”. Ainda te deixo assim. Ao fim de dois anos sem te ver ainda te conheço e ainda te desperto curiosidade.


Lembro-me bem da tortuosa conversa que tivemos, em que não sabíamos que ia haver uma temporada tão grande sem trocarmos telefonemas, olhares, sms, mails.


Ao reencontrar-te sabia que acordaríamos juntos na seguinte manhã.


Continuamos a estar desencontrados no espaço e na disponibilidade. Estivemos apenas juntos no tempo. No tempo que leva uma uma longa madrugada e manhã, e aquele sono, durante a tarde, em que sempre que me levantava, dizias: “C’mon. Come back to bed…”.


Saímos de casa juntos. Os nossos carros tinham passado a noite lado a lado, como nós.


Trocamos um abraço, o teu piscar de olho que diz “até à próxima”. Cada um vai para o seu carro. Os motores ligam-se e eu desligo o coração. Demoro-me propositadamente de motor ligado.


Deixo-te ir e vejo-te desaparecer.

9 comentários:

jardinsdeLaura disse...

Martian star,

Eis a prova em como há "desencontros" que podem ser tão ou mais bem vividos que certos encontros! Não há pois porque evitá-los, bem pelo contrário!

B disse...

:)adorei! não consigo dizer mais. foi dos textos mais puros, sinceros e verdadeiros que já li.

francis disse...

self control.

de Marte disse...

jardinsdeLaura,
estas histórias assim é que são giras.
Os encontros e desencontros é q têm piada. Se fosse tudo muito perfeitinho, tudo muito certinho, não tinha piada nenhuma...
:P

de Marte disse...

B,
Obrigada. Até ruboresci...

:)

de Marte disse...

francis,
esse "self control" é só a fingir...!

r disse...

Marte merecia melhor.

Salto-Alto disse...

Comecei a ler o texto e surpreendi-me! Gostei muito, parabéns!!!

Vani disse...

oh pah, não me mostres fotos dessas...upa coração upa coração...ai se o gaijo me apanha a dizer isto...foge!

Quanto ao texto, uau... ;-) adorei...nem sei que mais dizer :)